sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Novamente... Fernando Pessoa

"O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe,
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..."

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

A estrada sem volta

Queria falar sobre isto outra vez,mas acabei ficando sem vontade de escrever no momento.Outras vezes cogitei escrever,mas novamente perdi a vontade... No meio deste ano,em um festival no meu bairro,uns amigos,mais novos me chamaram para uma festa de aniversário da namorada de um destes amigos. Eu fui. Ao chegar lá,me deparei com uma faixa etária bem menor do que a minha,a média deveria ser uns 16,17 anos,enquanto eu tinha 21. Apesar disso,haviam amigos com 18,19. Mas apesar disso,apesar dos amigos,eu me senti deslocado. Parece obvio não? Mas eu percebi naquele momento que muita das coisas que fazia com meus amigos não me agrada mais... essas festas,bobas,danças escrotas ao som de músicas ruins...Assuntos desinteressantes,conversas chatas e monótonas...Havia um mundo que não era mais meu,uma realidade que não era mais minha...diferenças são comuns,mas de poucas formas eu me encaixava ali. Há um tempo venho vendo isso,há um mundo do qual não faço mais parte...As coisas não são mais as mesmas,os gostos não são mais os mesmos...O que era bom já não é mais e outras coisas desconhecidas são tão boas quanto as antigas...Tudo mudou,tudo muda e muito ainda irá mudar...A estrada continua,os passos podem ser lentos,mas ainda continuamos a caminhar...A estrada é sem volta,o que ficou para trás,somos outros a partir de então.