sábado, 24 de outubro de 2009

Descartável

Cada um é cada um. Como impressões digitais somos todos diferentes. Mas é cada vez mais comum encontrarmos pessoas que dão pouco valor a sua própria vida e a vida dos outros. Incentivados pelo
capitalismo, que quer o giro do capital, o consumismo incentiva o pouco apego pelas coisas. É melhor comprar,arranjar algo novo do que concertar o velho. Ao invés de eu concertar meu aparelho de dvd eu vou comprar um novo,mais moderno,mais bonito,melhor! Inevitavelmente nos relacionamos estão se tornando descartáveis hoje em dia. Você "pega" a pessoa, "joga no lixo", "pega" outra, "joga novamente no lixo", tornando assim um ciclo vicioso. É tão explicito essa forma de relacionamento descartavel, quase todos os jovens saem para simplesmente "ficar" e como dizem,que se foda o resto. Não importa os sentimentos das pessoas, elas são usadas como objetos descartaveis mesmo! Se quiserem mais é só arranjar outras, tem tanta gente no mundo! Além de terem relacionamentos descartáveis, a juventude de hoje tem uma vida descartavel. Se importa com o agora, infligem danos ao seus corpos para obter o prazer doentio por um único momento. Vivem suas vidas para fins que não sejam saudáveis ou felizes. Se deixam ser marionetes da midia,das instituições,das ideias,dos dogmas,dos pensamentos,da própria família. No fim,descarta sua vida se suicidando. Para o mundo,uma vida não faz diferença,não importa o que ela sofra. Para o mundo,para o planeta, o ser humano é descartável,morre um nasce outro. Que a nossa vida seja uma passagem,que inevitavelmente o dia de ir chegará, acho que ter um vida,que deixar um legado,uma lembrança é uma forma de não ser descartavel, é a forma de fazer a diferença no mundo. Se importar,dar valor não importa se for para sua vida ou para de outros, é a verdadeira vida! Agora me dão licença,eu vou me jogar no lixo!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Homem não chora - Frejat

Homem não chora nem por dor nem por amor
e antes que eu me esqueça
Nunca me passou pela cabeça lhe pedir perdão
E só porque eu estou aqui ajoelhado no chão
com o coração na mão, não quer dizer
que tudo mudou, que o tempo parou, que você ganhou

Meu rosto vermelho, molhado,é só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora
Esse meu rosto vermelho, molhado,é só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora. Não chora, não.

Homem não chora nem por ter nem por perder
Lágrimas são água
Caem do meu queixo e secam sem tocar o chão
E só porque você me viu cair em contradição
dormindo em sua mão, não vai fazer
a chuva passar, o mundo ficar no mesmo lugar

Meu rosto vermelho, molhado,é só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora
Esse meu rosto vermelho, molhado,é só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe que homem não chora. Não chora, não.

O alvo


Acerte aqui e ganhe um brinde!Você tem três chances,com três bolinhas para fazer um belo estrago bem no meio do alvo!

As vezes parece que alguém desenhou um alvo bem no meio do meu rosto.Aquela frase que diz que um raio nunca cai no mesmo lugar não funciona comigo!São porradas e porradas,dificil até levantar.Quando penso que esta melhorando,recebo um golpe bem no meio da testa!Quando acho que não a como piorar,recebo uma rasteira.Meu corpo está dolorido de tanta porrada,estou cansado disso,quero descansar em paz,deitar e ter a cabeça leva para sonhar!Não sei se meus movimentos conseguiram fazer efeito,mas quero avisar a todos,a tudo que quer acertar um golpe no meio da minha cara,que vou me defender!Vou me defender nem que saia sangrando disso!Posso não conseguir devolver o golpe,mas não vou ficar parado me vendo ser alvo dos outros!

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

De volta aos trilhos!

Vou dizer quem sou eu...Eu sou um cara feio,pela média posso dizer que sou burro,pobre,orgulhoso,entre outros lindos adjetivos!Mas posso dizer que tenho princípios e que certas coisas não fasso e não aceito!Quando eu era mais novo,era o revolucionário,o questionador!Já fui chamado de Che Guevarra,quem dera chegar aos pés dele...O fato é que amoleci,me tornei idiota,passei a acreditar nas pessoas!O que uma coisa tem a ver com a outra?É que não aceito algumas coisas,como roubo,homicídio,mentira,falsidade.Pois bem,agora acho que estou trilhando o caminho certo!Me cansei da futilidade,dessa merda de mundo onde as pessoas presam mais os objetos do que as palavras,presam mais um site de relacionamento do que o próprio relacionamento,pessoa a pessoa!Estou farto!


Postagem no meu perfil no orkut algum tempo antes de excluí-lo

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A volta de uma velha companheira

Hoje,depois de tanto tempo que nem consigo pensar quando foi,voltei a sentir raiva,desespero,medo em altas doses.A monótona e pacata vida as vezes nos impedem de sentir essas coisas,hoje eu por um resultado de pensamentos voltei a sentir.Senti o peito apertando,me senti sufocado,suando e quase chorando.Não posso apontar fatos que me levaram a isso porque como disse foram meus pensamentos que me levaram a escuridão.Coincidentemente meu tópico anterior falava da importância dos sentimentos,e agora falo da intensidade dos mesmos.Até agora estou tremendo,imagine se isso durasse um pouco mais...acho que entenderia os suicidas,porque essa é a forma mais fácil e mais certa de "desligar" os sentimentos.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

E lá se foi o chão...

E lá se foi o chão que sustentava meus pés!Já disse que nós exageramos ao nos importar quando somos tão pequenos em relação ao universo ou a nossa propria Terra.Choramos com cada coisa,mas somos apenas um grão de areia em uma extensa praia,não somos o centro do mundo.Estava no ônibus,pensando nos problemas,quando olhei para fora e vi centenas de pessoas na praça,centenas de vidas,centenas de mundos.Cada um diferente,cada um com suas alegrias,seus problemas.Seria certo eu me importar tanto?Existem pessoas com problemas piores,além disso o meu problema é insignificante para a existencia de tudo.Focando tanto nessas ideias,ignorei o fato do ser humano ser uma complexa maquina de sentimentos.Posso até dizer que somos provenientes deles.A vida de cada homem gira em torno de jorros e jorros de diferentes emoções,de diferentes sentimentos causados por diferentes acontecimentos.Um grão de areia é insignificante,uma vida é insignificante,mas os sentimentos não são.No "mundo" de cada um,uma perda pode ser pior do que a maior catastrofe que se tem noticias.Por isso,é certo sim chorar,é certo se emocionar,por menor que seja o caso ele pode lhe tirar o chão de seus pés.Com isso digo "Não ignore seus sentimentos,eles são o verdadeiro mundo."

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Amigo...


Olhar para atrás?Só quando estiver sentado,deitado ou seja,parado.Do contrário,sem ver o que vem pela frente será inevitável tropeçar.Mas de outro lado,se observarmos o que vem pela frente só avistaremos a névoa da incerteza,a névoa do desconhecido.Entre ver o certo que nunca retornara ou se arriscar no desconhecido,sugiro que segure a minha mão,apesar de achar que não,ela sempre irá te segurar e sempre que precisar irá te levantar!

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Como você está?

Como você está?Bem?Mal?Melhor impossível ou diria pior impossível?O fato é que ao se deparar com a famosa pergunta"Como você está?",muitas vezes omitimos ou mentimos para nós mesmos.É tão simples responder com uma palavra monosílba"bem,mal",mas na maioria das vezes não nos encontramos assim.Geralmente não nos encontramos em nenhum extremo,nem bem nem mal,e sim no meio.Geralmente vivemos uma vida modesta,de altos e baixos,mas nunca podemos nos queixar que ela é de todo mal ou é extramamente boa.É claro que existem aqueles que se encontram nos extremos,mas a maioria não se encontra.Por isso,minha resposta preferida é "Estou mais ou menos!".Mais pra lá do que pra cá,não importa,o importante é que vivo a vida,uma vida neutra,entre altos e baixos,mas vivendo!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

O Loop

Novamente a contagem reinicia.
Da estaca zero ao infinito,do infinito ao nada.
O Retrocesso o retorno,mesmo ignorado é invitável dizer que sempre algo retorna.
A redundância de um circulo vicioso,o fato é que o ato de repetir não siginifica que este se repete para todos.
Como é comum ver a reação sem ver a ação,atitudes repetidas comuns ao mundo mas incomuns a natureza interpessoal.
O dejavu,as mesmas imagens,as mesmas frases,as mesmas pessoas,todas antes vistas,todas lembradas,todas esquecidas.
E a plateia pede bis,mesmo vendo a desaprovação nos rosotos dos poucos resistentes relutantes.
E no fim,reiniciam os cronômetros.Assim temos o loop,de volta ao começo,de volta ao passado,de volta ao infinito.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Ilusão nossa de cada dia

Mesmo dizendo que vivo em um mundo ilusório,as pessoas que se iludem ainda me surpreendem.Acho incrivel como pessoas conseguem se iludir com coisas bobas e idiotas,como uma criança que acredita em Papai Noel!Vejo vários exemplos em que a pessoa faz se acreditar em algo que não existe,algo irreal!Como acreditar em uma(um) namorada(o) falsa que trai na maior cara de pau!Estou rasgando palavras,atirando paus e pedras,mas tambem sou réu.Acredito nas pessoas,mesmo iludidas.Sendo assim,tambem me iludo.Então porque acreditamos nas pessoas,porque confiamos?Sabemos que é da indole do ser humano ser falso,ser hipocrita.A mentira em si é e sempre será pra humanidade um simples clichê!Mesmo me culpando e culpando os outros,admito que encarando a situação de frente,nosso ponto de vista é diferente.Diga para mulher que o seu marido a traiu,mas quando ela ama,e em frente a ele,ela não consegue acreditar.Os sentimentos influenciam?Talvez,mas o que mais influencia é a auto ilusão.A pessoa cria uma ilusão para se defender,tanto da dor,quanto das mundaças.Ela cria para não temer,e para evitar o que teme.É como uma defesa automática,sai sem ao menos saber,mas é sempre você quem a criou.Somando a ilusão na qual acreditamos no ser humano e a auto ilusão,podemos dizer que nesse caso o ditado "Dando soco em ponta de faca" é certo.Mesmo assim,nos iludimos na mesma frequencia com a qual compramos pão..."Ilusão nossa de cada dia".

Paciência - Lenini

Paciência

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
A vida não para

Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora vou na valsa
A vida tão rara
    
Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência
                           
O mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo   e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência
                              
Será que é o tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber 
A vida é tão rara
                                      
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei,    a vida não para

Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder 
E quem quer saber
A vida é tão rara

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma 
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei,a vida não para

domingo, 5 de julho de 2009

Missão cumprida - Luis Fernando Veríssimo

"Você talvez não se tenha dado conta,irmão.Em Edinburgo,onde fundiram a célula mamária de uma ovelha com o óvulo de outra e criaram uma terceira,ou repetiram a primeira,o homem começou a ficar obsoleto.Você eu não sei,mas eu já estou me sentindo como um disco de vivil.A não ser pelos cientistas que,impensadamente,decretaram seu próprio fim fazendo a experiencia,nenhum macho participou do processo de reprodução da ovelha.Teoricamente,o espermatozoide perdeu sua função no mundo.
Os produtores de espermatozoides somos nós.Temos o monopólio.Ao contrário dos fabricantes de lampiões a gás,que rapidamente ajustaram-se à eletricidade,não podemos adptar nossa produção mudando um detalhe.Não temos nem o recurso de fraude,de fazer espermatozoide se passar por óvulo para não perder o mercado.Não cola.Em pouco tempo seremos o gênero supérfulo.Não dou até 2075,76,por aí,para desaparecermos da face da Terra.Como o óvulo é imprescindível para o novo método de procriação,é obvio que produzirão mais mulheres que homens.E cedo ou tarde elas farão a pergunta: para o que mesmo é que serve o homem?as profissões tipicamente masculinas- estivador,gigolô,chefe de cozinha,motorista,drag queen,zagueiro central,etc.- estarão dominadas pela automação ou pelas próprias mulheres.Com a nossa crescente desmoralização,perderemos até o valor como objetos sexuais,pois quem vai querer um acuado na cama?(Isso se ainda existir sexo como conhecemos.Prevejo que os homens que restarão tentarão escapar do aniquilamento reunindo-se em bandos renegados,nas florestas que sobrarem.Fugirão das mulheres e,com ironia histórica,só farão sexo com ovelhas).Cedo ou tarde elas decidirão nos cancelar em definitivo.
Estávamos no mundo para fazer espermatozóides.A Capela Sistina,a Nona Sinfonia,a Itaipu Binacional - foi tudo produção secundária,tudo bico.Nossa missão era fornecer espermatozóides.Nossa missão acabou."

sábado, 4 de julho de 2009

Valor

Quando somos crianças,aprendemos que tudo tem um valor.Aprendemos que algumas coisas valem mais que outras,como um pacote de biscoito vale mais que uma bala.Aprendemos tambem que as vezes não podemos pagar o valor,como quando com 1 centavo tentavamos comprar um chiclete.Com o passar do tempo,vamos observando a importância do valor,e os diferentes valores.Vamos descobrindo que um abraço vale mais do que um aperto de mão,que estar com as pessoas que lhe fazem bem,vale mais que estar só.A partir dai,chegamos as coisas em que o valor é tamanho,que não conseguimos pagar.Coisas que quermos acima de tudo,e que perderiamos tudo por elas.Depois de se iludir com as "maravilhas" de valor infinito,conhecemos as coisas sem valor.Coisas que as vezes nem valem seu próprio nome,ou a atenção que lhe é dada.O tempo vai passando,e aprendemos a impor um valor para as coisas,devido a nossa opinião,as valorizando.Depois,percebemos que o mundo e a vida são desvalorizados.Percebemos que as pessoas não valorizam coisas que valorizamos.Vemos que as pessoas não valorizam nossas atitudes.No fim,percebemos que não temos valor,que não somos valorizados,e o pior,descobrimos que quem valorizamos não enxergam nenhum valor em nós.Assim,é tão comum nos comparar com o lixo,algo usado,algo jogado fora,algo sem valor!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Texto sem nome Fernando Pessoa

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas
vezes mas,
não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e
posso
evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de
todos
os desafios,incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos
problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de
encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um "não".
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que
injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

sábado, 20 de junho de 2009

Quem sou eu?

Quem sou eu?Essa não seria uma pergunta que faria a mim mesmo,prefiro perguntar quem são vocês?Quem é você?Vamos ser sinceros,para tudo na vida precisamos de um incentivo,precisamos estar interessados. Na minha opnião,99% da populção mundial tem o mesmo interesse em comum e em uma medida parecida. 99% do mundo se interessa no tão querido dinheiro. Segundo eles,o dinheiro traz a tão procurada "felicidade",dando a eles a oportunidade de viver a "vida perfeita". Carros novos,roupas caras,jóias,superfulos em geral. Graças ao capitalismo,ao consumiso,crescemos com a idéia de que ter é fundamental,de que consumir é fundamental,em um mundo em que tudo tem um prazo de validade. Prazos de validade para relacionamentos ou para os proprios humanos. Com isso,nos encontramos em conflito com que poetas e filósofos tanto falaram,e sofremos um retrocesso cada vez maior. Chegaremos ao ponto de relacionarmos sexualmente só para perpetuar a espécie!Desculpem-me,não sou assim. Faço parte do 1% que acha que o dinheiro não é tudo, o 1% que acredita em um mundo melhor, que acredita nos sentimentos mais puros,que acredita no bem do ser humano! Eu prefiro viver uma vida miserável em aspectos materiais, e viver uma vida rica em aspectos emocionais!Esse sou eu,sou diferente podendo por muitos ser chamado de estranho,mais eu vivo!

terça-feira, 9 de junho de 2009

Conto : A garota do ônibus

A garota do ônibus

Como é monótona a nossa rotina diária. Acordo as 6:00, tomo banho, me arrumo, tomo café, escovo os dentes, saio de casa as pressas para pegar o ônibus das 6:30 para ir para ao colégio. Chegando lá sou bombardeado com questões, deveres, conhecimento, que no fim bombardeiam minha paciência. Depois de horas estudando a finco, saio correndo para não perder os cursos complementares: segunda e quinta, inglês, terça espanhol, na sexta informática e na quarta tenho o meu sagrado basquetebol. Coincidentemente todos os dias, volto para casa no ônibus das 17:30, ou seja, fico aproximadamente 12:00 horas fora de casa.

Todos os dias a mesma coisa, as mesmas coisas em todos os dias, a mesma rotina, as mesmas pessoas.

Segunda, dia de inglês depois do colégio. Estava tão desanimado que nem tomei café da manhã direito. Também não me sentia bem, acho que comi algo estragado, mas não é hora de pensar nisso, é hora de correr para pegar o ônibus. Corri o máximo que pude para alcançar o ônibus no ultimo segundo, se o perdesse arruinaria todo meu dia. Subi ainda tentando achar o ar que me faltava nos pulmões, paguei a passagem e me deixei sentar em qualquer poltrona. Fiquei alguns minutos reavendo meu fôlego. Quando o reencontrei, olhei para os lados e notei as mesmas pessoas, as mesmas pessoas que todo dia pegam o mesmo ônibus que eu, mas tinha algo diferente que passou despercebido pela minha rápida observação, tinha alguém diferente no ônibus. Nem sei como passou despercebido, quer dizer ela passou despercebida. Era a garota mais bonita que vi na minha humilde e inexperiente vida.

Fiquei a observando o resto do caminho, nem ousava em desviar o olhar. “Como era linda”, não havia razão para que eu desviasse o olhar. Quem era ela, o que fazia nesse ônibus, naquele horário? “Como era tão linda?” Fiquei em uma espécie de transe hipnótico e só acordei quando ela desceu do ônibus. Fiquei observando ela descer calmamente, e depois que o ônibus partiu fiquei pensando nela. Só depois percebi que havia passado do meu ponto, tive que voltar correndo e no fim cheguei atrasado no colégio. Nem me importei, só pensava na garota do ônibus.

Várias perguntas inundavam minha consciência, às vezes as mesmas que me apareceram na hora, às vezes outras como: Onde ela mora? Será que mora perto de casa? Será que se mudou agora? Várias perguntas no ar.

Passei o dia sem me concentrar em nada, até na curso de inglês eu não me concentrei, pelo menos peguei o ônibus no horário. Quando me sentei tive uma surpresa, ela estava de novo no ônibus. Seria coincidência? Não é possível, não existe coincidência. Nem pensei mais, fiquei somente a admirando, meus pensamentos que esperassem. Dessa vez não marquei bobeira e desci em casa, e deduzi que por ela estar no ônibus quando entrei de manhã e por continuar no ônibus quando sai dele à tarde, ela deve morar depois da minha casa, mas porque pensava nisso, talvez ela nem pegue o ônibus novamente.

Depois de estudar um pouco e dormir um bocado, enfim, dei bom dia à gloriosa terça-feira. Fiz o que de costume e fui pegar o ônibus, nem havia pensado na garota, até avistar o ônibus. Foi como se fosse um botão de ativação, vi o ônibus e comecei a pensar nela. O nervosismo me tomou pouco antes de entrar no ônibus, o coração acelerado, só consegui me deixar jogar na cadeira mais próxima e fiquei um tempo pensando. “Afinal, o porquê ficar nervoso.”

Olhei pelo o ônibus e a vi, me peguei sorrindo sem querer, mas um sorriso gostoso que deixei que ele continuasse. Passei a viagem inteira a observando, e percebi que ela continuava no ônibus quando chegou no meu ponto. Passei o dia pensando nela, mas sem me pressionar, porque a chance de reencontrá-la no ônibus de volta era praticamente remota. Então tive um dia tranqüilo, sem me preocupar com nada.

Quando subi no ônibus de volta, tive uma surpresa, lá estava ela novamente. De novo, não pode ser coincidência. Quais seriam as chances de duas pessoas pegarem o mesmo ônibus duas vezes em dois dias seguidos, em uma grande metrópole. Eu fiquei nervoso pensando e por que não, a admirando. Foi admirando-a que ela me olhou. Me pegou de surpresa, a única reação que tive foi virar o rosto e disfarçar. Nem preciso dizer que fiquei mais nervoso ainda. Fiquei com medo de olhar novamente, com medo de que ela me olhasse também, como alguém sendo pego em flagrante. Que bobeira, porque ter medo, por olhar alguém? Nem pensei mais, olhei-a novamente e ela estava me olhando, sorrindo. Novamente virei o rosto, agora com um pouco de vergonha.

Enquanto olhava para janela, percebi que o meu ponto se aproximava. Fui em direção à porta do ônibus sem olhá-la, morrendo de vergonha. Quando desci do ônibus fiquei pensando no porque estava com vergonha, no porque eu tinha medo. Não tinha motivo para isso, afinal não devo nada a ninguém. Na verdade deveria falar com ela, afinal sou um homem. Então estava decidido, no dia seguinte eu iria falar com ela no ônibus.

Passou-se terça e chegou quarta-feira, o dia em que eu iria enfim falar com a garota do ônibus. Me arrumei com uma felicidade sem explicação e me dirigi ao ponto, chegando até adiantado. Subi com calma no ônibus, pois ia olhar primeiro para procurá-la e ver se ela sentara sozinha, sendo assim eu poderia sentar do lado dela. Olhei no ônibus todo e não a vi. Olhei novamente, não acreditando no que estava vendo, mas novamente não a vi. Parecia até que meu mundo havia caído. Porque ela não estava ali, porque ela não aparecera? Será que era um sinal? Eu deveria ter falado com ela antes, perdi a oportunidade, talvez a única. E se ela nunca mais aparecer? Ai meu Deus, a culpa foi toda minha, era só trocar algumas palavras, mas por covardia não trocaste. “Grande covarde você!”

Meu dia foi uma merda. Perdi toda a concentração. Não me concentrei no colégio, e pior ainda, no melhor dia da semana, o dia em que jogo basquete. Não consegui jogar nada, por um lado foi bom que era só um treino, mas mesmo assim foi motivo para um sermão do treinador. Sai um bagaço do treino, morrendo de raiva por ela não ter pego o ônibus e a obrigando a pegar o ônibus. Estava com tanta raiva que resmungava sozinho “Nem ouse não pegar o ônibus agora!” Um pobre insano andando até o ônibus, subindo nele e sentando na cadeira. A raiva era tanta que nem havia prestada atenção, havia entrado no ônibus e nem a procurara. Levantei a procurei com o olhar, infelizmente em vão.

Talvez nunca mais a encontrasse, tolice a minha em acreditar em algo. Tolice a minha admirar uma coisa que não estava no meu mundo, uma coisa que estava fora da minha vida, da minha rotina. Só restou naquele dia, esperar seu termino e o começou de outro.

Um novo dia, a mesma rotina. Retornei a minha rotina, retornou minhas dores, novamente na barriga, novamente não tomei café da manhã, novamente na rotina. Corri novamente para pegar o ônibus, subi novamente sem fôlego e novamente me deixei jogar na cadeira. Abri a janela, fechei os olhos e tentei recobrar o fôlego. Foi quando uma voz feminina ressoou ao meu lado:“Posso sentar ao seu lado?” Dizia.

Abri os olhos perplexos e me virei afirmando para olhá-la. Foi quando a vi. Era ela, ela estava ao meu lado sentada sorrindo. Nem preciso dizer que sorri também. Ficamos quietos nos entreolhando, sorrindo, até ela irromper o silencio dizendo:”Parece que você está bastante feliz, seria a minha presença?”

“Estaria mentindo se dissesse que não!”

Nós ficamos nos olhando,enquanto o ônibus partia,comigo e com ela,juntos.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Ingênuo

Ingênuo -Pixinguinha/Vinicius de Morais

"Eu fui ingênuo quando acreditei no amor
Mas, pelo menos jamais me entreguei à dor...
Chorei o meu choro primeiro
Eu chorei por inteiro pra não mais chorar
E o meu coração permaneceu sereno
Expulsando o veneno pelo meu olhar...
... eu procurei me manter como Deus mandou
Sem me vingar que a vingança não tem valor
E depois também perdoar a quem erra
É ser perdoado na Terra
Sem ter que pedir perdão no céu.
Eu não quis resolverEu não quis recusar
Mas do amor em ruína, uma força termina
Por nos dominar e depois proteger
Dos abismos que a vida traçar
Quando o tempo virar o único mal
E a solidão começa a ser fatal...
Eu não quis refletir, não
Eu não quis recuar, não
Eu não quis reprimir, não
Eu não quis recear...
Porque contra o bem nada fiz
E eu só quero algum diaSer feliz como eu sou infeliz... "